JF Máquinas

LINHA DE PRODUTOS

Preço do concentrado cai e relação de troca melhora em SP

07/06/2017

 

 

De acordo com a publicação do CEPEA de Maio de 2017, O Boletim do Leite, o preço do concentrado que é o principal insumo da pecuária de leite caiu na relação de troca com a quantidade de litros de leite por tonelada. Em outras palavras, isso significa que o produtor precisa vender menos leite para pagar a mesma quantidade de concentrado.

 

Esse dado é positivo porque aponta para queda de um componente importante do custo total da produção leiteira. Veja abaixo a publicação do CEPEA, Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da ESALQ – USP:

 

O preço do concentrado (22% de proteína bruta), principal insumo da pecuária leiteira, registrou queda de 7,1% de março para abril, de acordo com a pesquisa do Cepea que acompanha as cotações dos insumos nas casas agropecuárias do estado de São Paulo. Por outro lado, a receita obtida com a venda do leite se elevou, tendo em vista a alta de 1,64% no preço do leite recebido pelo produtor no período. Este cenário favorece a relação de troca do pecuarista, que tem melhorado desde novembro de 2016.

 

Em abril, foram necessários 606,9 litros de leite para adquirir uma tonelada do concentrado, 8,6% a menos que em março e 23,3% abaixo do registrado no mesmo período do ano passado.

 

A desvalorização nas cotações do concentrado ocorre devido à maior produção mundial de soja e milho nesta safra, fator que tem elevado a disponibilidade dos grãos no mercado interno.

 

Segundo dados divulgados em abril pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a safra 2016/17 de soja deve totalizar 110,16 milhões de toneladas, aumento de 2,37% em relação ao relatório de março e 15,43% a mais que o produzido na temporada 2015/16, um recorde. Quanto ao milho, a Conab estima que a temporada brasileira 2016/17 de milho atinja 92,83 milhões de toneladas, também um recorde. O aumento está relacionado ao incremento de área da segunda safra, que deve resultar em produção de 62,7 milhões de toneladas.

 

 

 

 

 

Publicação extraída do Boletim do Leite | CEPEA ESALQ/USP

Autores: Wagner H. Yanaguizawa e Natália S. Grigol